1º ENCONTRO TROCA DE CONHECIMENTOS DO POLO AMAZÔNIA 1 É REALIZADO EM CACOAL

Um time de especialistas debate sobre sustentabilidade e melhor aproveitamento dos recursos naturais





Foi realizada hoje uma reunião de produtores, empresários, cientistas, professores, biólogos e entusiastas a fim de debater ações em prol da sustentabilidade na Amazônia.


O presidente do Fórum do Futuro, Alysson Paolinelli, abriu o discurso fazendo um paralelo sobre a importância dos alimentos desde os tempos da Segunda Guerra Mundial até os tempos atuais. Ele ainda destacou os holofotes do mundo para o nosso país frente às ações sustentáveis. “O mundo está de olho no Brasil porque desenvolvemos a Agricultura Tropical. Aquelas vantagens comparativas viraram para o nosso lado. Aqui se produz doze meses ao ano. Quando você faz a integração lavoura, pecuária e floresta, por doze meses você está ocupando o solo intensamente”.


Paolinelli destaca um dado imponente no quesito pobreza na Amazônia: "A Amazônia tem cerca de 28 milhões de pessoas famintas, sem renda, na miséria. Enquanto isso existir, nós não vamos conseguir fazer a sustentabilidade. Extrativismo é sinal de ignorância, e vocês têm a solução para isso”, explica.


Ainda segundo o ex-ministro, a bioeconomia vai ser a salvação do Brasil, porque ela não vai agir só na produção agrícola como também vai produzir na agroindústria. “Se você somar produção agrícola mais agroindústria, você vai trabalhar 54% do PIB nacional. Somos hoje o maior mercado exportador de alimentos que o mundo tem”.


Na sequência, Samuel Almeida, diretor técnico do Sebrae-RO, ressalta a importância do pequeno negócio, e que através do Sebrae dissemina “de forma democrática lá na ponta, na agricultura familiar, num produtor rural que tá lá na sala no dia a dia, precisando melhorar o seu manejo, a sua pastagem, a sua gestão, introduzindo novas práticas que gerem maior produtividade e competitividade ao seu setor produtivo”.


O Sebrae atua com quase 98% das empresas existentes no país, que são pequenas empresas. Almeida destaca alguns temas fundamentais para alavancar o desenvolvimento e o crescimento econômico dessa região, sendo o principal deles, a união de elementos. “Cada recurso, cada contribuição financeira e econômica contribuirá para que a gente possa alavancar o desenvolvimento econômico em nosso país”.

Isis Lazzarini Foroni, zootecnista e professora no Instituto Federal de Rondônia, comentou sobre o Programa de Desenvolvimento dos Cerrados (POLOCENTRO), criado em 1975. Foi desenvolvido dentro do ministério da agricultura e liderado pelo ex-ministro Alysson Paolinelli. Obteve grande importância no Brasil e ganhou o título de segundo salto na agricultura.


“O produto brasileiro tem um grande potencial e merece ser valorizado a nível mundial. Mas para isso acontecer, tem que ser utilizado de estratégias para elevar o interesse pela mercadoria, já que temos capacidade de melhorar a produção e aumentar a economia nacional”.


Hélio Dias, presidente da Federação da Agricultura e Pecuária de Rondônia, (FAPERON). comentou sobre a adoção de tecnologia e inovação na agricultura do estado. A adoção de boas práticas, que são usadas em outros estados, deve ser colocada como uma fonte referência para Rondônia, com o foco de servir de demonstração para os produtores das diversas cadeias.


"Em Rondônia nós demos um salto na produção de café. Há um tempo atrás havia mais de 120 mil hectares plantados, com produção de dois milhões ao ano. Hoje, reduzimos para 70 mil hectares em média, com o uso de diversas tecnologias, aplicáveis e hoje nós produzimos até mais de dois milhões com a área mais reduzida", afirmou Hélio Dias.


Ilce Santos, bióloga e gestora, falou sobre a psicultura em Rondônia, e produção de maneira sustentável.


O Brasil inteiro está passando por um momento de crise na comercialização do pescado. Por conta dos altos preços dos insumos, da ração, que é o nosso principal insumo. Importante termos uma base de cada corte comercial e fortalecer a comercialização do pescado de Rondônia, que já tem significativos resultados de pesquisa, seja na produção ou parte comercial. Na região, por exemplo foi descoberto o ômega sete, escasso em várias espécies de pescado”, reforça Ilce.


O principal foco é unir os diversos elos do mercado da cadeia do peixe e juntar tudo numa espécie de rastreabilidade, desde o processo inicial até a parte comercial, forçando uma melhoria na cadeia como um todo. A questão do método de abates por eletronarcose é um importante case para esse mercado exigente em qualidade e bem-estar animal. O processo é necessário porque o pirarucu é grande e dificulta a sensibilização deste no gelo.


Enrique Alves, grande liderança da ciência que desenvolveu o café robusto da Amazônia, falou sobre o trabalho de desenvolvimento sustentável da produção de cafés robustas amazônicos, principalmente na região das matas de Rondônia.


Hoje se produz dois milhões de sacas em menos de setenta mil hectares, com uma produção mais eficiente do que o observado há 20 anos atrás. Atualmente Rondônia é o maior produtor da Amazônia, com mais de 90% de todo café produzido no estado.


Propõe núcleos de excelência sustentável na cafeicultura, com todo o processo de rastreabilidade e integração, e as questões de arborização e reflorestamento da área rural, bem como os componentes florestais pra cafeicultura para criação de microclimas e proteção, e a recuperação de solos, nascentes e uso de água legalizado. Conservando a floresta, a gente tem que trocar o extrativismo pela bioeconomia


“Na cafeicultura, quando a gente faz esse trabalho, o impacto pode ser direto em dez mil famílias, mas indiretamente eu estou ajudando mais de trezentas mil famílias só na cafeicultura nessa região que a gente está trabalhando. Isso é o impacto na área agrícola”, afirma Enrique.


A professora Marcia Azevedo, pesquisadora da UNICAMP, que trabalha com a visão da ciência e educação na escola básica, ressalta que não tem como falarmos de futuro sem pensar em educação e educação básica sem a integração com os projetos do país, com o seu contexto social a partir de resolução de problemas locais.


Está inserido núcleo na cidade de Pimenta Bueno, na escola Valdir Monfredinho, com essa proposta de integração. A proposta é do investimento na formação cultural e de valorização da educação básica como prioridade fundamentada na perspectiva de formar novas gerações, que compreendam os processos de desenvolvimento local e sustentável especificamente na Amazônia, como forma de geração de riquezas e oportunidades.


Isso faz com que essa sociedade, a partir do seu campo de atuação, seja altamente produtiva, sustentável, justa e equânime, com um amplo desenvolvimento social


Por fim a professora Kênia Tronco e o professor João Marcelo, encerraram as palestras da parte da manhã.


Kênia Tronco, professora da Universidade Federal de Rondônia, oferece aos produtores rurais uma equipe pra que forme unidades modelos nas propriedades, com todo o processo de recuperação e manejo florestal, auxílio de dúvidas, diminuição de custo, etc.


Em troca, a professora realizará estudos e pesquisas inexistentes em Rondônia, como a quantidade de sementes que precisam por hectares para efetivar uma recuperação de terra.


João Marcelo, engenheiro agrícola e professor na Unir, especializou-se no trabalho de recursos hídricos e oferta suporte aos trabalhos dos produtores, e frisa que a importância da água é muito sistêmica numa propriedade rural.


“Temos que buscar cada vez mais sermos sustentáveis dentro das nossas fronteiras agrícolas e também explorarmos de maneira racional esse nosso recurso, dentre eles o hídrico e o uso racional do solo”, conclui João.

26 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo